Marlene

Os versos, as rimas, os sonhos nos dão tranquilidade e paz!

Textos


Relógios de vez em quando
Param, em seguida, funcionam
Mas aqueles que se entregam à viagem
Não sabem quando interromper
E por quanto tempo
Também não o quanto devem acelerar
Para resgatar o tempo
E em um final sempre haverá um lugar vago
De forma que um segundo possa lá se ajustar
No compartimento de um dia inteiro.
No outro final porém
Formam-se ondas de multidões
E erguem-se aos telhados, às escadas,
ao algodão.
Os passageiros respondem conscientes
“Eu tenho quarenta e dois anos”
Sem saber que alguns números são minutos,
Ou milênios
Sem conhecer todos os nomes das estações
Onde se encontram
Para cruzarem com outras pessoas
Ou por nenhuma significativa razão

Ana Blandiana
Ana Blandiana
Enviado por MVA em 10/12/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras