Marlene

Os versos, as rimas, os sonhos nos dão tranquilidade e paz!

Meu Diário
22/01/2007 01h05
Que mania!
Tenho uma nania que muitas vezes incomoda alguns: totografar.

Fotografar à esmo, qualquer coisa, qualquer fio descuidado que me apareça pela frente.

Engraçado. Não tinha esse defeito de tirar fotos, até porque máquina fotográfica era relíquia, muito cara para minhas posses. Tirar, até tirava, mas revelar o flime só quando sobrava algum. Então muitas vezes fatos importantes ficaram sem registros, sem documentar.

Quando me casei foi um desses momento. Não tivemos verba para registrar o momento mais importante de nossas vidas. A família também não tinha recusos para tal "estravagância".

Talvez seja por isso que agora saio a fotografar tudo que vejo. Outro dia estava costurando e os retrozes de linha sobre a mesa me pediram para serem fotografados e, clik! Registro feito.

Talvez quem ler esse texto vá pensar que estou me lamuriando. Não! Engano. Não me lamento. Apenas recordo tempos idos e ultrapassados que deixaram marcas bastantes profundas em nós. Em mim. Claro que na época eu sofri pois queria fazer álbuns e mais álbuns e, quantos filmes acabaram se perdendo por falta de revelação.

Meus pais tiveram poucas lembranças de suas vidas. Minha mão adorava fotos. Quem não gosta! Quando era dia de fotografia tudo tinha que estar nos "trinques"! Roupa bonita, de "domingo" a de "sair". Quanto tempo!

O tempo passou e a vida mudou. Graças a Deus que prá melhor e hoje não tenho uma máquina de filme mais e, sim uma digital, mais moderna, mais fácil de manusear. Daí meu gosto de fazer fotos. Fotografo um fio de cabelo se puder, desde que naquele momento ele represente algo importante para mim.

Esta tarde, o céu estava especialmente lindo e ... fotografei o céu da tarde, a noite chegando... Que beleza! Cheguei a capturar uma estrela com minha máquina da minha janela querida!

Fotografei o Danilo de apenas um mês de vida, ainda no hospital.A Edilene grávida, o Edson com os netos, o Junior pescando. Enfim tantos momentos gravados agora para sempre.

Não temos mais álbuns, e sim, cd para compactar as fotos, guardá-las. Antes eram guardadas em álbuns de papel. Agora...cd, disquetes, computador para a vizualização inclusive na TV

O tempo mudou... e trouxe manias. Mas, esta mania eu adora ter e não abro mão!

Publicado por MVA em 22/01/2007 às 01h05
 
07/01/2007 06h46
Leitura e lazer
Leitura de Lazer

Todos nós sabemos a importância que tem a leitura em nossa vida, principalmente nos dias atuais. Ela faz parte obrigatória da vida do homem como cidadão, pois, há necessidade enorme de ler desde letras até imagens, gestos, sinais, enfim, tudo, tudo que fazemos e interpretamos é resultado da leitura.

Costumo dizer aos meus alunos que quando eles, pelo meu modo de olhar se calam ou riem eles estão lendo meu rosto, estão interpretando os sinais que estou transmitindo de apoio, de reprova, de concórdia ou não e, que nem sempre não precisamos falar para que alguém nos entenda. Basta olharmos nos olhos das pessoas e saberemos o que ela está nos pedindo ou mandando. É a leitura do mundo. A leitura da vida.

Diante de tal importância a leitura é uma das atividades mais desenvolvidas na sala de aula. Lê-se desde textos infantis (contos de fadas, fábulas, parlendas, poesias infantis, HQ) até os textos que nos falam do cotidiano (formais, revistas, epistolares, as informativas – receitas,) enfim, lê-se de tudo.

Mas a leitura, como importante que é, também é utilizada como fonte de lazer. Lemos para nos distrais, para nos divertir e, fazendo parte desse rol de leitura estão as piadas, as charadas. Não pode faltar nas aulas de Portugueses momentos como este de descontração, onde a leitura deve estar inserida. E para tanto existe um autor de piadas infantis Donaldo Buchweitz com um trabalho bonito para crianças... E também para as crianças grandinhas, como nós.

É muito divertido ler e interpretar as charadas esse autor em sala de aula. Os textos que esse autor oferece ao público infantil são muito atrativos e eles gostam desse momento de leitura Por exemplo este:
a) Um fazendeiro tinha 17 vacas, todas, exceto nove, morreram. Quantas vacas sobraram? Pode ser lido, copiado em forma de problema, para ilustrar depois da resposta.

b) O professor pergunta para o Juquinha:
_ Diga o nome de algo importante que temos hoje e que não existia há dez anos.
Juquinha respondeu rápido:
_ Eu!

A aula fica mais alegrem mais dinâmicas, pois até que elas conseguem responder, principalmente a questão a, o interesse pela descoberta é emocionante. Todos querem ser o primeiro a responder. Esse tipo de atividade oferece oportunidade para desenvolver o respeito, a solidariedade, a criatividade e tantas outras... Adoro trabalhar com leitura lúdica. E o que eles trazem de novidade não está no... Gibi.

Daí a escrever é um pulo. Crianças no início da alfabetização têm medo de escrever. “Não sei escrever”, “não consigo”. E mostrando o exemplo dos escritores que foram também como eles, crianças, que também não sabiam nada e que aprenderam, eles começam a se interessar pela leitura e pela escrita. E só aprende a escrever, escrevendo. A prende-se a ler, lendo. Aprende-se a fazer bolo, fazendo bolo. Não tem outro jeito de aprender, a não ser fazendo. Adoro trabalhar com leitura.

Publicado por MVA em 07/01/2007 às 06h46
 
04/01/2007 14h26
Compaixão
No seu livro, SUA SANTIDADE, O DALAI LAMA, Daniel Goleman e outros, , relatam a entrevista de Dalai Lama concede à especialistas, psicopedagogos, psicólogos,e público também, onde respondeu a várias questões sobre Harmonia Mundi tema d ciclo de Conferência realizado em Newport Beach, Califórnia.
Dalai Lama propõe a compaixão vivida na prática. E de todas as respostas a que mais me encantou foi:

"Pergunta do público": Tenho reparado que as crianças começam a perder a compaixão quando entram na escola e conhecem outras sem compaixão. Que sugestões o senhor tem para as crianças que devem aprender a lidar com pessoas que não agem compassivamente, e ainda como desenvolve sua própria compaixão?

Dali Lama: É muito importante que elas tenham laços muito próximos com seus bons amigos, saudáveis e, com seus pais, sua própria família. Isto é onde o empenho precisa estar situado, em laços familiares muito próximos e saudáveis. Com exceção disso, não há muito o que fazer.

Os seres humanos, assim que nascem, começam a mamar o leite da mãe. Esta é a primeira manifestação de compaixão e de amor. Por natureza, tomar o leite de nossa mãe é, por si só uma lição nas relações humanas sobre a base da afeição. Devemos tentar manter esse espírito. Este é o modo de desenvolvermos relações íntimas - baseados no afeição entre nós mesmos e nossa mãe, por mamar o leite dela. A compaixão na família é muito importante. Se há uma atmosfera compassiva na família, não somente os pais, mas também as gerações futuras se beneficiarão. Seu desenvolvimento mental e físico será muito mais saudável.

Eu acredito profundamente que a compaixão é o caminho não só para a evolução completa do ser humano, mas também para a sua sobrevivência absoluta, da concepção até o nascimento e o crescimento. Para mim, isto é absolutamente claro

Marlene: E para mim que também. Este é um SER HUMANO com todas as letras maiúsculas, mesmo.
Não há o que comentar, É agir e aprender com ele.

Publicado por MVA em 04/01/2007 às 14h26
 
02/01/2007 02h15
O essencial
"O essencial só se vê com o coração. O essencial é invisível para os olhos".
...
"Foi o tempo que perdeste com a rosa que a fez tão importante".

..." Tu te tornas responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela tua rosa".

...“A água pode ser boa para o coração”. A água (tranqüilidade) sossego
pode ser bom por que é uma virtude espiritual, talvez
capacidade de ser bom, por isso faz bem ao coração, (centro da vida),
limpa nossas impurezas tornando-nos melhores, menos poluídos, menos
contaminados pelo ruim existente no mundo.

...
“O que torna belo o deserto é que esconde um poço nalgum lugar”

Nós somos os desertos, áridos, duros; mas que escondemos em nós sentimento inexplorados que só conheceremos se explorarmos esse deserto que somos, nos auto descobrirmos. Saberemos que somos poços fundos, fecundos, profundos
com água límpida que matará a sede de muita gente, inclusive a nossa.

...

“As serpentes são más. Podem morder por gosto. Elas não têm veneno para uma segunda mordida”.

Somos traídos por nossos conhecidos, amigos, parentes uma única vez, quando nos pegam de surpresa, em nossa simplicidade. Depois, como dizem, estamos vacinados e não podem mais nos atingir. Ficamos imunes às traições, aos egoístas, aos ciúmes que envenenam a alma e o coração.

Antoine De Saint Exupéry

Publicado por MVA em 02/01/2007 às 02h15
 
02/01/2007 02h13
As rosas
“Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua é a única no mundo...”.
Vós sois iguais à minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda
vos cativou...
...
Minha rosa... Sozinha é mais importante que todas, pois foi a ela
que reguei. Foi a ele que pus sob a redoma. Foi a ela que eu matei
as larvas (exceto umas duas ou três por causa das borboletas). Foi
a ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se. È a minha rosa”.

(Antoine De Saint Exupéry – O pequeno Príncipe

Publicado por MVA em 02/01/2007 às 02h13



Página 7 de 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]



Site do Escritor criado por Recanto das Letras