Marlene

Os versos, as rimas, os sonhos nos dão tranquilidade e paz!

Meu Diário
28/03/2007 09h07
Falando com Deus
Oração: Falando com Deus
Único ser universal, maravilhoso!
Ouve nossa voz, simples e preocupada!
Perdoe-nos a preocupação.
Não é descrença, não!
Somos tão ignorantes que o coração fica
Apertado diante dela.
Ajude nosso bebê...zão!
Envia-lhe o teu olhar luminoso
Tão conhecer da sua intimidade!
Abre-lhe os braços amorosos
Dá-lhe tranqüilidade, paz.
Não desconfiamos um único
Minuto sequer da tua bondade.
Temos medo é que nossa ignorância
Afunde-nos no abismo da dor.
Ajude-no Criador Eterno
Criador desse imenso amor!
Assim como ensinaste a amar
Ensina-nos a esperar...com calma!
Abençoe aquele que em tuas mãos.
Ampara, proteja e abençoe
Teus mensageiros na Terra
Vestidos de branco com bisturi afiado!
Envia teus Mensageiros de Luz
Para que eles orientem as mãos terrenas
Ajude-nos! Todos precisamos de bênçãos!
Pois sabemos que a caminhada apenas começa!
Essa caminhada de reeducação...
De reaprender a amar sem limite...
E só tua paciência pode ensinar.

Publicado por MVA em 28/03/2007 às 09h07
 
05/03/2007 04h29
Criando e recriando
“A partir das relações do homem com a realidade resultantes de estar com ela e de se estar nela, pelos atos de criação, recriação e decisão, vai ele dinamizando o seu mundo. Vai dominando a realidade. Vai humanizando-a. Vai acrescentando a ale algo de que ele mesmo é fazedor. Faz cultura. E é, ainda o jogo destes com o mundo e do homem com o homem, desafiando e respondendo ao desafio, alternando, criando, recriando, que não permite a imobilidade , a não ser em termos de relativa preponderância, nem das sociedades nem das culturas. E, na medida em que cria, recria, e decide vão se conformando as épocas históricas”.
E também criando, recriando e decidindo que o homem deve participar destas épocas˝.
( Paulo Freire)

Quando se participa com responsabilidade dos fatos deixamos nossa marca no mundo. Conformamos a história ( damos formato, com forma de) de nossos pontos de vista, opiniões e, com isto estamos informando e orientando novas situações. Nós, os homens, habitantes desse mundo, somos os portadores de transformações históricas que vicejarão pela eternidade. Nossa responsabilidade também é enorme.É daí, da criação e da recriação que tomamos a decisão do nossos próximos passos, da nossa competência de leitura da realidade e de nosso poder de transformação.
Quando temos conhecimento é que podemos tomar rumo ou modficar o rumo já tomado.
A alfabetização, a leitura e a cultura é que darão a humanização da sociedade valorizando-a em sua complexidade ( estar juntos )determinando juntos, fazendo juntos. É uma utopia? Mas, sem utopia fica tudo mais difícil. Precisamos acreditar, ter esperanças que a educação possa ser transformadora, inclusive e principalmente dos caráteres para ter ética nessa sociedde de "homens"

Publicado por MVA em 05/03/2007 às 04h29
 
28/02/2007 00h21
Um Poeta Divino
Raul de Leoni um poeta...um homem sensível.


Pudor




Quando fores sentindo que o fulgor
Do teu Ser se corrompe e a adolescência
Do teu gênio desmaia e perde a cor,
Entre penumbras e deliquescência,

Faze a tua sagrada penitência,
Fecha-te num silêncio superior,
Mas não mostres a tua decadência
Ao mundo que assistiu teu esplendor!

Foge de tudo para o teu nadir!
Poupa ao prazer dos homens o teu drama!
Que é mesmo triste para os olhos ver

E assistir, sobre o mesmo panorama,
A alegoria matinal subir
E a ronda dos crepúsculos descer...


Publicado no livro Luz Mediterrânea (1922). Poema integrante da série Felicidade.

Foto: Marlene Vieira Aragão

Publicado por MVA em 28/02/2007 às 00h21
 
26/02/2007 01h33
Crepuscular
Raul de Leôni





Poente no meu jardim... O olhar profundo
Alongo sobre as árvores vazias,
Essas em cujo espírito infecundo
Soluçam silenciosas agonias.


Assim estéreis, mansas e sombrias,
Sugerem à emoção em que as circundo
Todas as dolorosas utopias
De todos os filósofos do mundo.


Sugerem... Seus destinos são vizinhos:
Ambas, não dando frutos, abrem ninhos
Ao viandante exânime que as olhe.


Ninhos, onde vencida de fadiga,
A alma ingênua dos pássaros se abriga
E a tristeza dos homens se recolhe...


Um poeta de nome que viveu somente alguns mas gravou seu nome na literatura brasileira pela força de seus pensamentos e idéias,versos fortes conduzindo a uma reflexão profunda.



Foto: Marlene Vieira Aragão

Publicado por MVA em 26/02/2007 às 01h33
 
09/02/2007 01h43
Problema de magreza , é sério!
O Elano completa hoje, trinta e um anos!

Meu Deus! Parece que foi outro dia!

Com seus oito meses de tanto pular caiu por cima do berço. Um berço de ráfia, lindo. O mais barato da loja.

Fiquei com tanto ódio do berço. Queria jogá-lo fora. Achava-o culpado de jogar o garoto
para fora.

Sempre ele foi muito magrinho! Tinha a finura de um dedo!

Tia Dina quando o via achava que eu não cuidada bem da criança. Dizia brava: que menino raquítico! Leve essa criança ao médico que está anêmica.

Eu chorava o dia inteiro . Culpava-me pela sua magreza. Naquela época ter saúde era ser gordo.

Dia seguinte cedo, lá estava eu na porta do doutor. Na sala de espera, ele corria, gritava, não parava um único minuto.

Chegou um senhor e parou, ficou olhando ria de ver a agilidade do meu filho a felicidade a destreza e a alegria. Saiu para o fundo do corredor e não prestei atenção para onde ele foi.

Fiquei sem jeito achando que aquele riso era de reprovação pelo barulho e dei uma bronca no coitado.

Continuamos a espera até que ouço chamar o nome do Elano. Entro na sala. Descubro que o homem que estava observando o menino era o médico. Pensei agora ele vai mandar dar educação pra ele aprender a ficar quieto em ligar público. Não. Ele olhou o Elano com carinho e perguntou se ele não estava cansado da brincadeira. O Elano ressabiado só meneou a cabeça negativamente.

Então me pergunta: “O que há com o garoto, mãe”?

Respondi toda confiante e cheia de razão: “Ele está doente, está tão magro, raquítico”.

O médico não pensou duas vezes. “Seu menino brinca, corre, pule, está alegre, e saudável.
Quem está doente é a senhora. Onde se viu dizer que alegria é doença”?

“Mas, essa magreza”? Perguntei já toda sem graça.

“Magreza não é doença, tem muito gordo doente, que não pula, não corre e não brinca”.

Isto me aconteceu com três médicos diferentes. Nunca mais o levei ao médico para resolver sua magreza.
O meu “palitinho“ cresceu forte e saudável . Nunca teve uma doença grave. Hoje é casado tem dois filhos, meus netos lindos e maravilhosos.

Publicado por MVA em 09/02/2007 às 01h43



Página 6 de 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]



Site do Escritor criado por Recanto das Letras