Marlene

Os versos, as rimas, os sonhos nos dão tranquilidade e paz!

Meu Diário
16/01/2009 01h36
Soneto LXX
Willian Sheakespeare - Soneto LXX

Se te censurarem, não é teu defeito,
Porque a injúria os mais belos pretende;
Da graça o oramento é vão, suspeito,
Corvo a sujar o céu que mais esplende.

Enquanto fores bom, a injúria prova
Que tens valor, que o tempo te venera,
Pois o Verme na flor gozo renova,
E em ti irrompe a mais pura primavera.

Da infância os maus tempos pular soubeste,
Vencendoo assalto ou do assalto distante,
Mas não penses achar vantagem neste
Fado, que a inveja alarga, é incessante.

Se a ti nada demanda de suspeita,
És reino que o coração se sujeita.

Publicado por MVA em 16/01/2009 às 01h36
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Site do Escritor criado por Recanto das Letras